Público é convidado a participar de banquete sensorial em Curra – Temperos sobre Medéia

Temperos-sobre-Medéia-02

Um terreiro, uma arena, um banquete e pés descalços para celebrar o efêmero. É com este cenário que o Grupo Contadores de Mentira sobe ao palco do Ponto Arte Garapa, na sexta-feira (8), às 20h, para apresentar o espetáculo Curra – Temperos sobre Medéia, restrito a 50 lugares. A montagem da cidade de Suzano, no Estado de São Paulo, integra a mostra oficial do 8º Fentepira (Festival Nacional de Teatro de Piracicaba). O festival vai até domingo (10).

A peça tem o mito de Medéia como eixo central, recortado em estruturas de dança, canto, rituais, comida e emoções sensoriais. Durante a apresentação, o público não é apenas espectador, mas convidado para participar do banquete fazendo experimentações gustativas através do paladar e do olfato. A cozinha, que funciona ininterruptamente, provoca relações sensoriais onde a dança, a comida e a música celebram o mito de Medéia.

O enredo traz Jasão como um orixá recebido pelo corpo de um cozinheiro. Medéia, que tem a força de Iansã, é inimiga da beleza de Oxum. Creonte, senhor do terreiro, exige o seu direito à propriedade, enquanto crianças “Erês” cegas decidem o futuro da mãe. Os atores não possuem cenas definidas, mas jogos e regras estabelecidas em um itinerário de energias. Assim, o espetáculo restabelece o mito clássico transformando a tragédia em um ritual de celebração.

Curra – Temperos Sobre Medéia, que estreou em 2008, é dirigido por Cleiton Pereira, que integra o elenco da peça ao lado de Daniele Santana, Camila Rafael, Drico de Oliveira e Ailton Barros. Os projetos sonoro, de iluminação e de indumentária são assinados por Michael Meyson, Matheus Borges e Barros, respectivamente.

Após o espetáculo, o grupo participa de um bate-papo com o público, a companhia teatral e a comissão debatedora composta pelo curador da oitava edição, o diretor teatral Roberto Rosa, a dramaturga Ana Souto e o crítico de teatro Alexandre Mate, professor do Instituto de Artes da Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho) e membro da comissão que define os finalistas para o prêmio Shell de Teatro.

CONTADORES DE MENTIRA – O grupo nasceu em 1995 e, desde então, produziu mais de 20 espetáculos, oficinas, seminários e festivais. Nesses 18 anos,  seus membros compartilham o sentimento de recusa, seguindo o fluxo contrário ao pensamento de que apenas os grandes centros são produtores de cultura, acreditando ser possível dialogar com a identidade de sua região, o Alto Tietê. Este ano, o grupo fundou o Teatro Contadores de História, espaço de diálogo destinado a colaborar com as redes criativas e sustentáveis do Alto Tietê.

Somente com Curra – Temperos de Medéia o grupo soma cerca de 120 apresentações em terreiros, teatros, galpões, sítios e favelas. A montagem rendeu ao grupo indicação como Grupo Revelação no Prêmio CPT 2011, da Cooperativa Paulista de Teatro, além do convite pelo programa Teatro e Circunstância da SESC TV com o título de Encontros de Dionysos e Olorum. A peça também foi o representante Brasileiro no Circuito de Teatro em Português 2012, com grupos de Angola, Moçambique, Portugal e Brasil.

O FESTIVAL – Iniciada em 1º de novembro, a programação do Fentepira tem seu encerramento no fim de semana. A Praça José Bonifácio transforma-se em cenário para Ópera do Trabalho, do Grupo Buraco d’Oráculo, que apresenta-se no sábado (9), às 11h. No mesmo dia, às 16h, é a vez do Sesi Piracicaba sediar a montagem infantil O Menino que Mordeu Picasso, às 16h. E no Engenho Central, às 20h, o Teatro Municipal Erotídes de Campos recebe Agda, às 20h, com a Boa Companhia e Grupo Matulateatro.

No domingo (10), às 16h, o Teatro Erotídes de Campos abriga A Cortina da Babá, montagem infantil do Grupo Sobrevento que explora o teatro de sombras e faz parte do projeto Diversão em Cena, da ArcelorMittal. Na área externa do Engenho Central, às 17h, o grupo Cirquinho do Revirado, de Criciúma (SC), apresenta a peça Júlia. Às 20h, no Ponto Arte Garapa, é a vez de Ara Pyau – Liturgia Para O Povo Invisível, do Grupo de Teatro Girandolá, de Francisco Morato.

A Prefeitura de Piracicaba é realizadora do Fentepira, por meio da Secretaria Municipal da Ação Cultural, com o apoio do Sesi Piracicaba, Tusp Piracicaba, Senac Piracicaba, Apite! (Associação Piracicabana de Teatro), Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Secretaria Municipal de Educação e Centro de Comunicação Social. 

SERVIÇO – 8º Fentepira, com o espetáculo Curra – Temperos sobre Medéia. Sexta-feira (8), às 20h, no Ponto Arte Garapa (r. Dom Pedro II, 1.313, Bairro Alto). Entrada gratuita. A distribuição de ingressos tem início uma hora antes da apresentação). Duração: 80 minutos. Classificação: 14 anos. Capacidade: 50 lugares. Mais informações no site http://www.fentepira.com.br, no blog www.fentepira.wordpress.com, pelo Facebook Fentepira Piracicaba ou pelos telefones (19) 3413-5212 e 3413-8526.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s